A Massagem no Esporte

A massagem é de uso corrente e mesmo, de certa maneira, um ritual na vida esportiva. A ela recorre-se em duas circunstâncias principais:

1º – Para reparar e seguir a rotina / ação atlética;

2º – Como uma maneira de tratamento, quando ocorre algum traumatismo ou dano.

A massagem preliminar na atividade física complementar.

Encarada por este ponto de vista, a massagem consiste em colocar em ação todos os reflexos, prontamente solicitados em toda a extensão do corpo.

Fricções, movimentos e compressões efetuadas rapidamente, além de amassadura das massas musculares mais importantes representam a essência deste tipo de massagem, que deve provocar um afluxo importante de sangue na periferia, por reflexos vasodilatadores.

Os tecidos (pele) devem estar aquecidos; os músculos, por sua vez, posicionados em estado de disponibilidade tônica, e devem estar preparados para contrair a qualquer hora com a máxima aceleração e força possíveis.

Depois de uma temporada de massagem preliminar para início das atividades, o atleta necessitará ficar bem aquecido com roupas grossas ou sintéticas até o momento da ação, a fim de não perder calorias para o meio ambiente.

O resfriamento da pelo e dos tecidos e, particularmente, dos músculos estimula o aparecimento das cãibras e, nos casos mais graves, das rupturas fibrilares, retardando a marcha, o ritmo e diminuindo a vitalidade do atleta.

A Massagem consecutiva à ação.

Depois da corrida, da luta, da disputa pela pontuação ou do futebol, o corpo acalorado e encoberto de suor implica na hiperatividade nervosa, circulatória e também glandular.

Todos os tecidos irrigados com superabundância são a sede do intenso metabolismo.

Em tais conjunturas, a massagem não será desta forma oportuna e relaxante, sendo concebida e executada de forma a reconduzir calma a cada função.

As elevações e as vibrações serão o alicerce e a base. A hidroterapia morna, e não fria como é praticada frequentemente sem razão, imprimirá um descanso aos músculos e garantirá ao sistema nervoso a distensão favorável logo depois do exercício físico.

Massagem utilizada na recuperação de lesões de esportivas.

A massagem, em tais condições, só deverá ser empregada após a obtenção de um diagnóstico extremamente cauteloso e detalhado.

O tratamento deve ser, com efeito, em todos os casos, adaptado à natureza e à importância das lesões.

É frequente, por não se ter convenientemente tratado uma entorse, que se estabeleçam sequelas tais como corpos estranhos articulares por arrancamento ósseo, periartrite, tensão, lassidão por atrofia muscular ou distensão dos ligamentos, deixando a articulação instável e predisposta a recidivas.

Se o massagista, por exemplo, precipita-se sobre uma entorse e inicia uma massagem assim que esta ocorre, tal fato pode promover graves consequências e problemas mais sérios.

Massagear uma entorse, como é frequentemente praticado nos estádios de futebol e quadras de jogos, sem nenhum exame prévio, é uma grave falta cujas consequências podem ser sérias, uma vez que qualquer lesão óssea, ainda encoberta durante os instantes imediatamente seguintes aos traumatismos, revela-se posteriormente.

O erro é particularmente grave se há ocorrência de fratura.

Na maioria dos casos de traumatismos e fraturas provenientes do esporte, é imprescindível a realização de exame de radiografia, com o objetivo de se avaliar o estado das lesões.

Muitas entorses são, na realidade, fraturas. Somente uma exploração radiológica pode esclarecer todas as dúvidas.

As técnicas e procedimentos de massagem deverão ser principalmente realizados sobre os músculos para impedir o declínio a redução da capacidade muscular.

Os movimentos iniciais devem ser de elevação com a polpa dos dedos ou em grilhões, ou mesmo com a palma da mão. As elevações seguir-se-ão as pressões e as fricções leves.

Enfim, para impedir a queda de rendimento e redução da capacidade muscular, assim como impedir o aumento da tensão dos músculos em uma articulação lesionada, poderemos aplicar a movimentos mais fortes e dinâmicos de amassadura e beliscadura, mas apenas sobre os músculos.

O tempo de aplicação em cada sessão de massagem será breve no começo, não ultrapassando quinze minutos, avançando, em seguida, a não mais do que meia hora.

Sensação de fadiga experimentada pelo ferido, sensibilidade aumentada na região lesada e músculos com pouca resistência significam que os limites foram ultrapassados.

Em casos normais, deve-se fazer a massagem a cada dois dias (na primeira e segunda semanas), depois deve-se torná-la cotidiana (na terceira semana).

Convém não se interromper bruscamente o tratamento, mas levar em consideração a transição com um espaço de alguns dias entre as últimas sessões.

Se o tratamento necessita de cerca de trinta sessões, é geralmente conveniente interrompê-lo após a décima ou décima segunda sessão, durante uns dez dias.

Os progressos registrados durante o segundo período do tratamento serão mais marcantes e mais rápidos do que durante o primeiro.

À massagem deverão ser anexados movimentos passivos, primeiramente suaves, muito limitados, prudentes e imprimidos à articulação lesada.

Nunca se deve vencer de forma brusca e repentina as tensões, pois estas cederão, pouco a pouco, nos dias seguintes. Só se deve agir com calma e paciência.

Se o paciente sofre, sobretudo se ele sofre durante várias horas após uma sessão de massagem e mobilização, isto quer dizer que foi ultrapassado em muito os limites das manipulações permitidas e adequadas.

A ação do massagista será complementada pela mecanoterapia passiva, na qual as máquinas movem as circulações, e mais ainda, pela mecanoterapia ativa, na qual os músculos dos feridos movem as máquinas.

Um Comentário

  1. Francisco
    23 de outubro de 2018
    Reply

    Excelente texto. Uma vez tive uma séria contusão jogando futebol e fui submetido a um tratamento de massagem mais firme e consistente que agravou ainda mais minha lesão. Acabei indo a um médico, e juntamente com um massagista terapeuta profissional, resolveram meu problema com um tratamento direcionado e bem executado.
    Antes dos treinos também realizo bastante massagem nas áreas mais suscetíveis, juntamente com um bom aquecimento, e nunca mais tive lesões daquela gravidade.
    Aconselho a todos que praticam esportes não se deixar submeter a qualquer massagem, principalmente por amadores, ou iniciantes. A massagem sem técnica não é benéfica e pode até agravar a situação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *